Loja Virtual: Tragédias Não Anunciadas no Brasil

As lojas virtuais proliferaram com rapidez nos últimos anos e agora muitas pessoas estão se dando conta da tragédia em que se envolveram. O sonho do ganho fácil e rápido foi substituído pela ansiedade, incerteza, perda de tempo e dinheiro, e sentimento de fracasso. A principal causa para isto se resume numa frase: construtores de lojas virtuais fizeram, de boa-fé, o serviço errado. O erro mais comum foi e continua sendo o de não otimizar as páginas. Secundariamente, pela freqüência observada, vêm: a loja é uma afiliada e o endereço é um subdomínio limitador.

Lojas virtuais não otimizadas – Quase todas as lojas são construídas a partir de programas modelos ou scripts pré-formatados, onde são inseridos os produtos e outros links – tal situação impede a otimização ou permite fazê-la de forma apenas parcial. No primeiro caso, a maior gravidade reside na repetição de títulos e meta descrições em todas as páginas, restando ao dono do site lançar apenas o menu com as categorias de produtos e imagens com informações sintéticas. No segundo caso, os títulos e meta descrições ficam repetidos, mas é possível dar mais informações sobre os produtos; há situações em que os títulos ficam repetidos e não há descrição alguma.

Se você tem uma loja que não está tendo visibilidade na Internet, pode estar em algum destes casos, e se deseja saber qual é, proceda da seguinte forma:

– Na página inicial da loja, vá no menu do Windows, clique em exibir.

– Na lista de alternativas que aparece, clique em código-fonte.

– Na página que aparece, logo no começo tem – A coisa escrita é o título de sua página inicial.

-- Mais abaixo você verá: <meta name="description" content="   ”> – O que está escrito entre estas aspas é a meta descrição da página, ou seja, a descrição do que ela oferece ao visitante.
-- Vá a outras páginas da loja e repita a operação para comparar títulos e meta descrições.
Isto pode ser visto também de outra forma: escrevendo site:domínio.com.br (com a palavra site, os dois pontos e sem espaços) na área de busca e dando enter. Aparece uma lista das páginas da loja indexada naquele mecanismo em que se faz a busca (Google, Yahoo, MSN, etc). Ao examinar a lista você pode ver e comparar os títulos e meta-descrições.

Loja com tais problemas, além de não estarem otimizadas, portam erros graves porque a repetição de títulos e/ou meta-descrições cria uma dificuldade adicional para os programas dos mecanismos de busca entenderem do que elas tratam e as posicionarem corretamente.

Otimização insuficiente do corpo – Outra dificuldade comum é a otimização insuficiente do corpo da página, onde ficam o menu e as imagens dos produtos. Informações insuficientes nesta área contribuem para resultados inconsistentes na definição dos temas das páginas. Diante da incerteza, resultante da soma de problemas com títulos, meta-descrições e corpo da página, não resta outra saída para os programas senão posicionarem as páginas atrás, bem distante das primeiras posições, nas listas de resultados das buscas.

Muitas vezes o modelo de loja limita a quantidade de informação que pode ser lançada no corpo; outras vezes é o construtor da loja que não sabe como lançar e quais informações lançar.

Lojas afiliadas – Neste caso a loja virtual é uma afiliada de uma loja principal ou uma organização que não tem loja própria e distribui os produtos por meios dessas afiliadas. As lojas afiliadas podem apresentar ou não os problemas citados acima, mas apresentam outro, adicional. Uma loja é literalmente a repetição de outras, só mudando o nome do domínio, ou repete uma parte, porém essencial. Neste caso temos duplicidades ou multiplicidades nas tags e conteúdos das lojas, totais ou parciais.

Esta situação cria problemas para os programas dos mecanismos de busca, não só porque acumula dados repetidos, pressionando os bancos de dados, como também pela dificuldade para posicionar as páginas da loja. Você pode imaginar que, se não houver cuidado com estas questões teríamos uma loja depois da outra vendendo os mesmos produtos, pelos mesmos preços.

Endereço é subdomínio – Quando o domínio não pertence ao dono da loja, a situação de subdomínio pode ser indesejável. Digamos que o endereço seja http://www.lojaverde.dominiodeoutro.com.br, onde lojaverde é o nome de sua loja e domíniodeoutro é um domínio que não lhe pertence; neste caso, sua loja é um subdomínio. Muitas vezes o domínio é de uma empresa que oferece um pacote, do tipo: hospedagem e modelo para construção da loja “em poucos minutos”. Além dos problemas citados, você fica preso ao dono do domínio e isto costuma dar dor de cabeça para mudar em alguma época à frente.

Pode ocorrer de esta situação ser favorável. O domínio pertencer a uma empresa de PageRank (PR) alto e ela repassa rank para os subdomínios. Entretanto, por ser uma situação de PR artificial, a tendência é dos mecanismos de busca mirarem esses subdomínios e rebaixarem as suas posições em futuro muito próximo.

Quando o subdomínio é uma extensão do domínio, ou seja, é um diretório ou uma pasta no site, isto não traz problemas, exceto, naturalmente, se estiverem sendo cometidos os erros já assinalados. Digamos que sua loja tem o seguinte endereço: http://www.loja.seudominio.com.br . Poderia também ser http://www.seudominio.com.br/loja, e tanto uma como outra são situações normais.

Situações extremas – Existem, ainda, outras variações na formatação equivocada de lojas virtuais que podem ser consideradas extremas. Algumas são de entristecer, até mesmo ao profissional experimentado. É o caso, por exemplo, da utilização de tecnologias que dificultam o acesso ou leitura por parte dos robots, tais como combinações de páginas em javascript, asp (ou php) e flash. Esta situação resulta em barreiras intransponíveis pelos robots, e eles não conseguem ler o que existe nas páginas – a loja pode resultar num mero endereço único, da página inicial.

Trajetória de lojas virtuais não ou mal otimizadas – Os casos citados, e que apresentam problemas de visibilidade na Internet, obrigam seus donos a buscarem os anúncios pagos. Com o aumento da concorrência, esta despesa fica cada vez maior. Em muitos casos a continuação do negócio se torna inviável. Então os donos das lojas, ao procurarem alternativas, vislumbram a visibilidade orgânica, e buscam uma otimização do site. É quando são informados dos problemas.

Em muitas situações, é impossível a recuperação da loja para ter bom desempenho nas buscas orgânicas. Você pode imaginar o que acontece quando o dono descobre que sua loja, com milhares e, às vezes, dezenas de milhares de páginas, apresenta o mesmo título e a mesma descrição em todas as páginas, e que a disposição das informações contidas nas páginas inviabiliza mudanças por meios de programas. Por outro lado, fazer essas correções manualmente, é impossível.

Todavia, em várias situações, a reconstrução é possível com a utilização de programas ou scripts, dependendo da forma como os dados são lançados nas páginas da loja. E ainda, dependendo de vários fatores, tem-se um grande número de alternativas, que vão desde a otimização de categorias mais importantes de produtos até a otimização plena de todas as páginas, alternativas que implicam mesclar otimização manual em parte das páginas e dinâmica nas demais, e até dinâmica numa parte de cada página e manual na outra parte.

Em certos casos, quando a loja é pequena, o trabalho pode ser refeito manualmente e resultar em visibilidade na Internet, como um site normal bem otimizado.

Quando o trabalho é possível e é bem sucedido, a loja pode começar a dar lucro.

Problemas surgidos durante a vida da loja – Quase sempre por desinformação, os donos de lojas não dão a elas a manutenção adequada. Por exemplo, deletam páginas sem os cuidados de providenciar a retirada das mesmas dos bancos de dados dos mecanismos de busca. Passados uns anos, quando você faz uma busca para verificar a quantidade de páginas numa delas, encontra, digamos, trezentas, quando de fato ela tem duzentas. Nas repassadas regulares que os robots fazem, deparam com os endereços deletados, que resultam em páginas não encontradas (erro 404). Depois de um tempo, confirmadas as ausências, a loja vai perdendo posições gradualmente por causa desses endereços não encontrados.

Gambiarra na otimização – Existe uma solução alternativa para casos mais graves. Já que é impossível para a loja ter visibilidade devido aos erros, pode-se criar um site paralelo, bem otimizado, com as categorias genéricas de produtos vendidos na loja. Este site consegue visibilidade, e nele estão links para a loja. Esta situação apresenta muitos inconvenientes, do ponto de vista comercial, mas às vezes é a única saída possível.

Quando o caso comporta, o melhor é partir para construir outra loja, bem otimizada, e abandonar a loja atual quando a segunda ficar pronta. Tem-se maior garantia de boa visibilidade recomeçando do zero do que fazendo gambiarras.

Muito do que está descrito acima se aplica a uma série de sites na Internet, como imobiliárias, livrarias, bibliotecas, e até mesmo sites pequenos e comuns, construídos de forma dinâmica. Até mesmo alguns portais com uma equipe de TI na retaguarda, pode apresentar tais ou parte desses erros.

Podemos dizer que são tragédias não anunciadas porque resultam do desconhecimento; a grande vítima é o dono do site ou loja virtual.

Esta entrada foi publicada em otimizacao. Adicione o link permanente aos seus favoritos.

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado Campos obrigatórios são marcados *


4 + um =

Você pode usar estas tags e atributos de HTML: <a href="" title=""> <abbr title=""> <acronym title=""> <b> <blockquote cite=""> <cite> <code> <del datetime=""> <em> <i> <q cite=""> <strike> <strong>