2009: Papel do PageRank e dos Links Externos no Posicionamento

Neste final de 2009 o PageRank caminha claramente para suas origens. Ao longo de mais de dez anos ele não passou por nenhuma mudança violenta, mas esteve em evolução permanente. Depois de vários ajustes ao longo desses anos, a avaliação dos links externos retorna às suas origens ou está a caminho. Conseqüentemente o PageRank passa a ser medido por parâmetros diferentes de, digamos, dois anos atrás, e a ter, cada vez mais, o significado original. Para entender essa evolução, precisamos examinar o que gerou a criação do PageRank pelos fundadores do Google.

Citações em trabalhos científicos – Os fundadores do Google se inspiraram nas citações de trabalhos científicos para criar o PageRank. Quando alguém escreve algo no campo científico com pretensão de publicar em veículo especializado, a publicação (também chamada de artigo científico, trabalho científico, paper) segue determinadas normas. Uma das normas é citar o autor ou autores que foram consultados na elaboração da pesquisa, seja ela de que natureza for. Essas citações são feitas nas diversas partes do artigo, na forma dos nomes abreviados dos autores ou de um número que remete à bibliografia situada no final. A Bibliografia ou Referências Bibliográficas ou Referências, consiste em uma listagem onde os autores referenciados no texto são apresentados com informações completas. Por exemplo, se um trabalho citado no texto teve mais de um autor, lá pode ter aparecido o nome de apenas um, o do autor principal, e aqui aparecem também os nomes dos outros autores. Ainda aqui, são dadas informações para que o leitor possa localizar e examinar o trabalho citado – vem, assim, o título completo da obra, o nome da revista em que foi publicado e as indicações para a sua localização, como tomo, número, mês, ano, etc. O texto pode não conter nomes, mas apenas números que nos remetem à listagem da Bibliografia.

Qual o interesse dessa citação? Primeiro, por uma questão de honestidade, o autor cita as fontes que ele consultou. Segundo porque o leitor pode ir lá e conferir se realmente é como foi escrito. Terceiro porque o leitor pode se interessar por algum dos trabalhos citados e ver, na fonte, os detalhes.

Significado de uma citação em trabalho científico – Do ponto de vista acadêmico, uma citação representa um reconhecimento ao esforço feito, e quanto mais citado é um dado trabalho científico, mais representativo ele é daquele tema. A citação ajuda também a espalhar a informação e, com isto, possibilitar que outros se beneficiem dela.

Paralelo entre citações no trabalho científico e PageRank – Você já deve ter notado a semelhança entre os dois. A citação no trabalho científico é uma forma de reconhecimento, ainda que se discorde de seu conteúdo, e um link colocado em um site apontando para outro, é também uma forma de reconhecimento da importância do segundo site. Os autores do Google procuraram desenvolver uma fórmula matemática que permitisse medir esses links que apontam para outros sites e entenderam que essa medida, transformada em um número chamado de PageRank, era um indicativo da popularidade do site que era citado. (Esta expressão é usada também como popularidade do link, a qual não é muito adequada.) Portanto, a citação de uma página da web deve ter o mesmo significado da citação em trabalho científico.

Evolução do PageRank – Ao longo de pouco mais de dez anos, o cálculo do PageRank evoluiu muito. De uma forma matemática simples e dada a público em trabalho científico dos dois autores, evoluiu para fórmulas cada vez mais complexas, misteriosas, e que se constituem em segredo comercial.

Uma vez que o PageRank se tornou, durante alguns anos, na principal referência para exprimir a força de um site e conduzir ao seu posicionamento no Google, a ânsia por dinheiro e/ou vaidade, levou muita gente a tentar toda sorte de truques para enganar os programas do Google que calculam o PageRank. Gradualmente o PageRank passou a ser manejado pelos webmasters como um meio de se conseguir boas colocações nas buscas, independente da qualidade do conteúdo. Isso era um desvirtuamento dos princípios que o criaram.

O Google também se enrolou no processo ao instituir a autoridade do link (medida pelo PageRank da página de onde se originou o link). Então não bastava ter um dado link apontando, mas era conveniente que ele tivesse PageRank alto, sinônimo de autoridade no tema. Isso foi, naturalmente, um grande equívoco e contribuiu para retardar o processo evolutivo. A corrida se deslocou da obtenção de um grande número de links externos para links com PageRanks altos. Sites medíocres obtinham boas posições e sites de qualidade ficavam perdidos lá atrás.

A dificuldade do Google em controlar esse jogo, levou à idéia da punição para quem utilizasse truques com os links, e essa prática foi estendida a truques ou subterfúgios que desvirtuavam os resultados de outras medições efetuadas nas páginas da web. Mas isso não foi suficiente.

Infelizmente os meios sobrepujaram os fins e o PageRank ficou completamente desmoralizado e incapaz de servir de referência para o visitante de um site qualquer. Um site podia (e ainda pode) ter um PageRank altíssimo e nada ter de proveitoso. A solução, vinda em 2008, foi a de reduzir muito a importância do PageRank na determinação do posicionamento de uma página e efetuar ajustes no seu cálculo.

A nova importância do PageRank e dos links externos – A importância atual voltou às origens. Ao invés de simplesmente “contar” os links, o Google vem passando a examinar o contexto em que eles se inserem. Em conseqüência, ações como trocar links, caíram por terra; criar uma página de links perdeu o sentido, exceto se ela retratar fielmente citações internas; vender links ou intermediar sua venda está levando ao desaparecimento de empresas especializadas nessas práticas – empresas que vendiam serviço de obtenção de links estão no mesmo caminho. Ao invés de gastar energia, tempo e dinheiro para obter links, o caminho agora é produzir bons conteúdos. Essa mudança de foco está conduzindo a uma moralização do PageRank.

Isso é diferente de morte do PageRank, como alguns apressados alardeiam. Nesta etapa da evolução, diminuiu sua importância na determinação do posicionamento. Aumentou, por outro lado, o significado de “popularidade” do site, expressa não só pela quantidade de links que apontam para ele, mas também pelo relevo de seu conteúdo. A tendência é que o PageRank expresse, cada vez mais, esse relevo. O conceito subjacente ao número que expressa um dado PageRank continua, tal como no começo do Google. A forma de calcular esse número é que está mudando.

O processo evolutivo neste momento está concentrado em identificar com precisão links que levem a conteúdos que sejam de fato úteis ao visitante. Um conteúdo relevante deve ser uma fonte de consulta para ampliarmos a visão do assunto, se for um tema descritivo, ou oferecer possibilidades de escolha, se for uma loja virtual, ou ter argumentos suficientes para contratarmos um dado serviço.

Os links externos, aqueles que apontam para o seu site, continuam a ser valorizados, mas com o significado que tinham na sua origem, no seu nascimento, qual seja, um meio para ampliar e espalhar a informação. Aqueles links que destoam deste objetivo são descartados.

Se o conteúdo do seu site é bom ou se sua loja age corretamente com seus clientes ou se você presta bons serviços, seu endereço eletrônico será citado (links) espontaneamente pelos usuários. A melhor conseqüência disso é a divulgação do seu site, o qual passa a receber visitas oriundas de diversas fontes (aumento de tráfego) e a satisfação do visitante, que encontra o que procura.

Já é passado o tempo em que ficávamos, aflitivamente, em busca de links, viessem de onde viessem.

Esta entrada foi publicada em otimizacao. Adicione o link permanente aos seus favoritos.

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado Campos obrigatórios são marcados *


quatro − 1 =

Você pode usar estas tags e atributos de HTML: <a href="" title=""> <abbr title=""> <acronym title=""> <b> <blockquote cite=""> <cite> <code> <del datetime=""> <em> <i> <q cite=""> <strike> <strong>